por Sara Morgado em sexta-feira, 22 de outubro de 2010


Este mês descobri a Time Out Porto. Certamente tarde, mas a boas horas, e escrevo isto sabendo que se calhar muitos de vocês também já a conhecem. Mas se calhar alguns não.
A Time Out Porto não é só uma revista que nos diz o que se passa, nesse mês, numa cidade.
A Time Out Porto vai desde os habituais museus, cinemas, salas de espectáculos e concertos, aos mais recônditos bares, galerias, experiências bizarras. Dos livros mais comerciais aos livreiros mais caricatos da cidade, às peças do teatro mais amador que se tem feito. Muitos restaurantes, cursos variados, fotografia. A Time Out Porto apareceu precisamente no momento em que era precisa: aproveitou o boom da noite do Porto, da moda de viver nas casas reabilitadas da baixa e do gay pride. E depois tem aquele pretenciosismo que se quer.
A deste mês já é a nº7 e traz uma colheita das melhores tascas da cidade, o que, para nós, vem mesmo a calhar.

4 comentários

É efectivamente uma referência no campo das revistas portuenses, especialmente porque esteve a modos de acabar, tendo sido posto em causa a sua mudança para... Lisboa.

Felizmente, superaram a crise com uma nova visão, como referiste, acompanhando a movida portuense, e fazendo roteiros a tascos, de modo a garantir um background de potenciais compradores e investidores particulares não confinados apenas com os espaços mais luxuosos, mas também os mais comuns.

O apogeu das Galerias de Paris, sobretudo da praça de Ceuta, a (re)abertura do Candelabro foram apenas uns pequenos motes para a consolidação mediática, além de que o pessoal de artes está sempre atenta a essa revista, especialmente pelo seu excelente design.

Anyway, para pessoas como eu que apreciam a baixa, sobretudo os bares mais calmos ( casa do livro, Pipa Velha, Candelabro), sabe bem ler a revista e ficar a conhecer as novidades, desde a abertura de espaços nocturnos, como inúmeras exposições de arte espalhadas por esta cidade, teatro amador ( que recomendo vivamente, em especial a travessa de cedofeita), workshops, e também Poesia.

Por mim, a Time Out era a revista do Ano. Mas isso seria talvez acusado de provincianismo exacerbado.
Mais uma prova de que a centralização do poder nos mouros afecta de um modo diacrónico o que de bom se faz longe da mouraria.

Au revoir,

Diderot

by Diderot on 23 de outubro de 2010 às 02:00. #

Onde se arranje a revista?

by Rita Mansilha on 23 de outubro de 2010 às 10:20. #

Não sabia dessa mudança. A Time Out Porto não é um projecto 100% portuese, no sentido em que já há a algum tempo a Time Out Lisboa (bem como dezenas de Time Outs de cidades lá fora). Aliás, já existe a de Lisboa há mais tempo que a do Porto por isso não percebo por que é que haveria de passar esta lá para baixo.

A revista encontra-se pelos quiosques normais, acho que está por todo o lado. Eu comprei num senhor velhote ali entre Sta Catarina e a Batalha :P

by Sara Morgado on 23 de outubro de 2010 às 15:32. #

Eu tive um péssimo contacto com a Timeout. O jornalismo dessa revista é péssimo e o tribuna dá-lhe mil a zero. Se calhar se fossemos nós a escreve-la não seria tão insuportável como é :O
Mas já percebi que devo ser das pessoas pessoas que não gosta da revista.

by Daniela Ramalho on 24 de outubro de 2010 às 00:51. #