por Ana em sábado, 20 de março de 2010

"Não acho que o ser humano seja pacífico. Penso que não se evolui desde a idade da pedra e que o verniz social que nos proteje da selvajaria é inquietantemente ténue, está sempre prestes a estalar(...) Eu escrevo um teatro de nervos porque são os nervos que nos comandam. As personagens que componho desde sempre são pessoas bem-educadas que pretendem manter a compostura. Mas como também são muito impulsivas, não conseguem manter as regras que impuseram a si próprias. Vão derrapar, mas sempre contra a sua vontade, mesmo quando estão em plena derrapagem. É precisamente esta luta da pessoa contra si própria que me interessa "

Yasmina Reza