por Inês P. em domingo, 29 de novembro de 2009

"O HOMEM CRIOU A MÁQUINA.

A Máquina não sente amor, ódio, ou medo; não sofre de úlceras, atques de coração ou distúrbios emocionais.
Talvez a única possibilidade do homem sobreviver seja tornar-se máquina.
Alguns homens conseguiram isso.
Máquinas que passam por homens dirigem muitas vezes sociedades; os ditadores são máquinas de força nos seus países. Um artista devotado pode transformar-se numa máquina de talento.
Por vezes, essa evolução ocorre sem que o homem repare nela.
Talvez aconteça da primeira vez em que ele diz "Sinto-me ferido" e o seu subconsciente responde: "Se eu abolir todos os sentimentos da minha vida, nunca mais poderei ser ferido!"

Jacqueline Susann, "The Love Machine", 1969