De bater o meu coração parou*

por henrique maio em quinta-feira, 14 de maio de 2009

Ó Procusto que viste em mim?
Prometi-te o cândido Amor
Convidaste-me;
De sussurro em sussuro
De Cântico em Cantico
encantaste-me.

Procusto, Procusto
Enlaçaste-me;
Apeguei-me a Ti.

Na noite calma pediste o meu descanso
Amarraste-me...

Procusto, a ti descrevi o que a minha alma via;
o que temia.
Minhas fragilidades expostas.
Transparente corpo.

Adormeci...
Não de cansaço. Alma tranquila.
Logo te revelaste!
Querias vingança.
Apedrejar meu corpo.
Cortar-me.
Sede de conhecimento?
Não! Pura Maldade.

Procusto, que te fiz?
Merecer o teu Ódio?

Mas, logo o Divino se entrometeu
Não morri às tuas mãos.
Meu coração parou.
A desilusão na tua face sem perceberes.
À tua frente uma cândida pessoa
Sem musculatura suficiente para aguentar a dor
Física? Raios, Procusto! Dor na Alma.
Não me quiseste entender.
Logo,
Ganhei este teu Jogo! Sem orgulho, sem mérito!
Apenas pelo que sou... Ironia!

(título de um filme francês) tb publicado aqui

2 comentários

esse filme é lindo mas muito triste..dá nó no estomago.

***

by Angelina on 17 de maio de 2009 às 19:51. #

engraçado, eu fiquei um pouco desiludido com o filme. Adoro o título do mesmo e foi o que me levou a vê-lo, mas estava à espera de outra coisa, confesso!

Beijinhos

by henrique maio on 18 de maio de 2009 às 00:53. #