Paz&Espada.

por Manuel Marques Pinto de Rezende em sábado, 11 de abril de 2009

"É preciso ser idiota para se ver um filme da vida de Che Guevara. No final, como toda a gente sabe, ele morre. E ainda por cima, descalço. Espero não ter estragado a surpresa a ninguém"

Woody Allen

Cachaços a Velhas

O Tribuna é um blogue de poetas e poetizas, líricos e liricistas (ouvi esta expressão pela primeira vez num álbum do Valete, Educação Visual, em 2003, ou 2002, e é o erro mais bestial de sempre).
As pessoas escrevem do fundo do coração, que é coisa que sempre me impressionou, comove-me a dispersão de sentimentos e o á vontade com que a pena (neste caso, o teclado) dessas pessoas escorre sobre o papel (neste caso, o monitor) a sua sensibilidade pacífica (neste caso, pacífica também).
O que me impressiona duas vezes é o facto de os Tribuneiros (ou Tribunantes, ou Tribunafareiros, ou Tribunaralhences, que os leitores não sabem mas a direcção deste jornal lança sempre novas denominações todos os anos, e às vezes, quando estão mais inspirados, todas semanas) conseguirem ser líricos na exacta mesma medida que conseguem introspectivos.
O Tribunaleiro nunca diz duas vezes a mesma expressão, não no mesmo texto (nem todos são a tal ponto originais). Ele, qual ser iluminado por musas que nunca depositaram o seu olhar em mim, transporta a sua dor ao mundo e à Lingua Portuguesa, magoando a primeira com a sua crise existencialista, e a outra com os seus erros gramaticais.
Ora vejamos:
Diz o HM (Homem Médio, e não Henrique Maio ou Hermengarda Maluca) algo como: "Está sol, apetece-me dar uma berlaitada em alguém!"
Diz o Tribunalhoco: "O Astro Gigante ilumina-me o rosto sulcado da sua energia galáctica, e lembro-me de ti e da forma como entusiasmavas-me as noites". O Tribuneiro tem sempre uma recordação. Há um que se lembra detalhadamente da sua terra Beirã, e fez um blogue à custa disso e tudo.

E pergunta-me o leitor (principalmente um que eu conheço muito bem e estou cá a ver) : "E diz lá, ó Manel, que tenho eu a ver com isso, que leio o Tribuna Blogue diariamente, mas nada sei nem quero saber sobre os Tribunalamalamaleques?"
Eu, caro leitor, não falo somente dos Tribunantes. Falo da gloriosa raça poeta que avança pela blogosfera e infecta através do clique do rato. E eu estou só e desamparado perante ela.
Eu nunca vou conseguir dizer: " E do dentro do Eu sai a expressão conturbada do meu egocentrismo, e esse Eu diz-me: a densidade pluviométrica deste lugar afasta-me do Nós, e desperta em Mim a vontade de retirar do Eu uma sensação de prazer solitária, como nos dias em que me apertavas a mão e levavas ao Mundo dos Vivos", o mais perto que eu diria, e seria uma tradução desta frase, soaria a isto: "Foda-se, está a chover e estou-me a molhar, daqui a nada vou pra casa, satisfazer-me solitariamente."

Portanto, vou tentar abrir o jogo e mostrar um pouco de sensibilidade também.
Eu tenho um amigo, que não sou eu, que em novo sonhava em fazer amor com uma velha gorda. Tenho outro amigo que dava cachaços a velhas. Mas esse é diferente. Esse todos os dias realizava os seus sonhos. Era ver os trémulos pescoços arcanos a suportar com umas valentes sapatadas e tremelicar de dor e surpresa, que maravilha, pensava o meu amigo. Mais tarde cresceu, fez-se homem, e está agora num cargo de chefia da JSD.
Mas esse meu amigo que tinha a tal tara de entrar em intimidades com uma senhora velhinha e gorda, e esse amigo não sou eu, nem o Guilherme Silva, nunca pode enfrentar o seu sonho de frente, e de lá retirar explicações, ilações, algo do Eu dele que lhe comprovasse ser um taradão de primeira água (e mais uma vez, repito, este meu amigo não sou eu, nem o Daniel Oliveira).
Inspeccionemos conjuntamente toda a complexidade fazer amor com uma senhora de idade, obesa até aos píncaros da curiosidade científica. Seria necessário atenção redobrada, e nada de canzanas nem coisa que o valha. Ela ficaria, no máximo dos máximos, por cima., em posição de explorador capitalista. Depois, muito provavelmente, não se mexeria muito, visto que toda a massa gordular, ou coisa que o valha, se encontrava concentrada nos lados da cama e no peito do pobre coitado do meu amigo, tornando a estabilidade do leito severamente comprometedora. Imaginem agora que estavam a fazer isto num colchão de água! Sim, porque o meu amigo está aqui ao meu lado e diz-me que, de facto, era assim que imaginava a noite de tórrido amor. E aproveito para repetir que esse meu amigo não sou eu, e o tipo que escreve o Café Odisseia também não. Imaginem só. Vocês também, senhoras leitoras. O que seria fazer o amor com um senhor velho e obeso. Imaginem, e preparem-se para o futuro, que nós , ao contrário de vós, não temos a obrigação de estar sempre em dieta e jeitosos (Soeiro do BE dixit).
O porquê clínico e psiquiátrico para o meu amigo ter este tipo de sonhos prende-se a questões sérias e graves, questões as quais, de momento, varreram-se-me completamente da cabeça, estando eu sem aparente forma de explicar. Mas é sério. E grave.
.

...


Boa música para dar cachaços a velhas é esta:


5 comentários

Tu muito gostas de falar de mim nos teus textos.
É "Guilherme Silva" para aqui, "Astro Gigante" para ali...

by Guilherme Silva on 11 de abril de 2009 às 23:08. #

ya... sabes guilhas o manel rescindiu contrato comigo, e por isso começou contigo...
Temos pena, mas é a sociedade consumista e capitalista em que estamos

by Duarte Canotilho on 12 de abril de 2009 às 00:13. #

da última vez que confirmei, este filme não acaba com a morte do guevara, portanto, temos pena. lol

by Daniela Ramalho on 12 de abril de 2009 às 16:49. #

"temos pena" não, tens pena.
és uma pessoa, a não ser que tenhas um Gollum do outro lado do espelho.

quanto à frase, a culpa é do woody allen... :P

by Manuel Pinto de Rezende on 14 de abril de 2009 às 01:48. #

A minha mãe disse: "Ó Sara, eu fui àquele blogue lá do jornal e li o teu texto mas, sabes, o do Manel está muito melhor!"

E depois uma pessoa vem ler o texto do Manel e... teme pela sanidade mental da mãe :)

by Sara Morgado on 19 de abril de 2009 às 11:38. #