#22 às terças, quase como acaso

por TR em terça-feira, 24 de março de 2009

IMPROVISAÇÃO SOBRE A REVOLUÇÃO
Os estudantes reuniam-se à fachada do edifício e entregavam papéis curtos
- É hoje o grande dia
nos olhos de cada brilhava a ingénua alegria que precede a revolução
- De hoje em diante, nada será o mesmo. Ainda que nos abafem, o nosso grito ecoará pelos tempos
Homem a homem que entrasse, mais um papel recheado de enunciados. Cruzavam-se invectivas contra o estado da universidade, a política geral dos governantes, o agrilhoamento das saídas profissionais.
- Vem e junta-te a nós, colega!
Ao soar da palavra do comandante, os estudantes uniram-se em massa, e gritaram alto, bem alto, as palavras que treinavam desde há dias. Hora a hora, revezevam-se às portas das salas, e mobilizavam mais contestários para a manifestação que viria nos anais
- Vens sim! Isto é importante para ti!
Oráculos, anunciavam aos que passavam o seu próprio bem, orgulhosos de o movimento não conhecer refractários ou desertores.
Os tímidos iam de voz calada, e no meio do grupo lá começavam a gritar, que a efervescência da hora proporcionava-o; os senhores de si mesmos ainda ofereciam resistência, nada que não fosse celeremente resolvido pelos senhores da revolução, que ameaça velada aqui, palavra compreensiva acolá, arrastavam-nos para o bulício. Os que, ainda assim, recusavam a dávida, eram banidos da companhia dos demais, para que o movimento fosse global, a voz de todos, sem ovelhas tresmalhadas a mancharem a sua bondade. Malditos fachos.
Os estudantes ergueram barricadas, gritaram bem alto, arremessaram as pedras do chão. Fizeram valer o seu projecto
- Queremos um mundo diferente
Os homens olharam-nos de lado, fartos do bafio da mensagem, e deixaram-nos a saborear a vertigem revolucionária, para, num dia que viesse, os acolherem ao seu largo, de braço sobre os ombros. Aí, as palavras soariam suaves
- Bem vindo ao nosso mundo.
Os estudantes, esses, que agora já não o eram, iam recebendo esse acolhimento de bom grado, orgulhosos da distinção. Depois, em conversas de memória dos tempos idos, lembravam na diversão desse dia em que ergueram barricadas, gritaram bem alto, arremessaram as pedras do chão. Em que decidiram, num acto volitivo, "ser jovens". Em que, à sua maneira, foram-no.

2 comentários

Viste muitos com a t-shirt do Che?
:)

by Guilherme Silva on 25 de março de 2009 às 01:23. #

Nenhum. À hora em que estive a revolução eram lençois afixados com palavras de ordem e um grupo a entregar papéis À entrada:P

by Tiago Ramalho on 25 de março de 2009 às 08:52. #