bad companys

por Francisco em sábado, 24 de novembro de 2007

Lembro-me há uns tempos de uma tirada protagonizada por Durão Barroso que conquistou apaixonadamente os media e foi rapidamente elevada a uma possível historical quote, à boa maneira de um Churchill, Che Guevara ou John F Kennedy. A propósito da cimeira UE-África, instado a comentar a eventual vinda do Presidente do Zimbabwe, Robert Mugabe (ditador sanguinário que se auto-intitula o melhor dirigente político de todo a África), ao nosso país no âmbito dessa cimeira e a polémica que daí poderia resultar face à intransigência de Gordon Brown em proibir a presença de uma representação britânica numa mesma reunião de trabalho importantíssima para o futuro do continente mais pobre, desorientado, explorado e ignorado (não ficava por aqui) do mundo e das relações deste com a híbrida UE, Durão Barroso lançou: "Fui ministro dos Negócios Estrangeiros e primeiro-ministro no meu país e muito frequentemente temos de nos sentar em reuniões internacionais na companhia de pessoas com as quais a minha mãe não gostaria de me ver". Vamos por partes.
Primeiro-ministro? Pois foi. Mas terá tido tempo suficiente para sentar o seu diplomático rabo em alguma "reunião internacional"? É que foi tão rápido o período em que se prestou a dirigir o país que me escapam essas presenças! Outras "reuniões" chamaram mais alto...
Não, esperem. Estou errado! De facto, Durão tem toda a razão. Não só teve tempo para estar em reuniões internacionais como até patrocinou e deu um brilho especial a um dos últimos actos criminosos e completamente arbitrários no plano internacional. Pois é. Iraque. Alguém se lembra? Açores, cimeira das Lages... Bush, Aznar, Blair e... Durão! Eu gostava então de perguntar à mamã do Sr. Barroso o que acha destes amiguinhos do filho. Será que estes podem ser apresentados à Mãe? Talvez Mugabe seja muito egoísta e não partilhe os brinquedos. Está certo, não é boa companhia. E o menino Bush, o menino Aznar e o menino Blair? Estes sim, pode levá-los lá a casa já que até são criancinhas muito ricas e influentes. Quem sabe se o menino Durão não recebe de presente pelo Natal uma playstation destes seus educados e respeitosos colegas...
Mais engraçado e no seguimento disto: Ramos-Horta sugeriu o supracitado deste post, Durão Barroso, para Prémio Nobel da Paz. Epá, estou como o outro. Se agora foi o Al Gore, porque não? Al Gore foi vice-presidente de uma administração que não ratificou o Protocolo de Quioto, Durão pactuou institucionalmente com uma guerra ilegítima (cuja dimensão catastrófica das repercussões é ainda indefinida). O primeiro recorreu a um blockbuster e a um poderoso background mediático para limpar a imagem; o segundo assume agora um papel de bom samaritano na presidência da UE. Está bem.

Só uma nota: aplaudo com entusiasmo qualquer iniciativa de defesa e promoção do meio ambiente. Verdade Inconveniente é um desses meios e é desde já importante o facto de ter sido feito por alguém como Al Gore, por chegar com mais força a mais sítios. Mas, no meu entender, defender verdadeiramente o nosso planeta não se confina à produção de um filme e a meia dúzia de palestras milionárias. Passa também por uma atitude crítica permanente e não pontual; por uma accção social no terreno, porque estar num estúdio reunido com experts da matéria a montar um filme é mais confortável; por genuinidade nos propósitos e não por modas...

Um abraço e um bom dia (que da minha janela se perfila lindíssimo)

Um comentário

Salvo as devidas distâncias uma vez, num blog desportivo disse que comparar Simão Sabrosa e Deco era o mesmo que comparar Fernando Aguiar com Franz Beckenbauer...
Também aqui... comparar Mugabe com Aznar por exemplo... parece me igualmente descabido. Hasta
MM

by Marco Moura on 24 de novembro de 2007 às 15:41. #