Os Fins e os Meios...

por Pedro Silva em segunda-feira, 9 de julho de 2007

Fidel diz que assassino da CIA tinha poucas hipóteses de matá-lo


Convalescente, Fidel Castro afirmou que o homem que a CIA contratou para o envenenar, no início dos anos 60, não teria conseguido aproximar-se o suficiente para ser bem sucedido na tentativa de assassinato
Castro, no mais recente editorial do Granman, afirmou que o plano para o assassinar foi apenas um de muitos. A CIA revelou, no mês passado, centenas de páginas de registos secretos dos piores abusos ilegais em nome da política americana.
Os documentos da CIA descrevem algumas das tentativas iniciais para matar Fidel Castro com a ajuda da Máfia,
que estava furiosa por ter perdido o rentável domínio dos casinos de Cuba.
De acordo com os documentos divulgados, o assassino Juan Orta administraria seis pílulas de veneno a Fidel. Orta movia-se no negócio dos casinos e, ao mesmo tempo, tinha acesso ao líder comunista. O responsável não executou o plano.
Castro escreveu que Orta estava ligado a exilados nos EUA e outros imigrantes antes da revolução, e que em certa época privou frequentemente com o líder cubano.
«Esse traidor do Orta recebeu dinheiro da Máfia para ajudar na reabertura de casinos», escreveu Fidel. «Quando ele recebeu o veneno, ao contrário de outras situações, havia muito poucas hipóteses de vê-lo. Eu estava completamente ocupado com outros assuntos».

Fonte: SOL


Ao passar uma vista de olhos nas várias notícias descobri esta que me levantou uma questão que me parece de todo importante; é a velha questão dos Fins que justificam os meios, e este é um exemplo claro de como a Administração Norte Americana munida da sua arrogância habitual tentou por varias vezes e ainda o faz actualmente interferir nas questões internas dos Países independentes… Na altura alegaram a questão da defesa nacional, mas se olharmos para trás a Alemanha Nazi também se serviu deste mesmo argumento para invadir a Polónia e se expandir para o Leste, foram questões de necessidade territorial e para combater o inimigo Soviético diziam os Nazis na altura e agora vemos que afinal a Nobre e Grande Democracia dos U.S.A. faz exactamente o mesmo relativamente a um País como Cuba (e isto para não falar de Venezuela, Iraque, etc.) que não representa nenhuma ameaça real, apenas por pura teimosia e grandes interesses económicos… Até quando vamos suportar estas ingerências de Estados nos assuntos internos de outros Estados? Será que os Fins justificam mesmo os meios? Porque motivo teremos de adoptar á força o modelo de governação e de vida Norte Americana? Não serão estas tentativas sucessivas de imposição de um modelo e interferências uma violação grave do Direiro Internacional e até mesmo dos Direitos do Homem? Ficam as respostas á consideração de cada um…

Saudações a todos!!!

Marquês